fbpx

Temperos que enfeitam

Casa bonita e comida gostosa. Tal combinação é possível com uma pequena horta de temperos, um cantinho iluminado, criatividade e alguns truques de jardinagem. 

Você não precisa ser um chef de cozinha para gostar, usar e abusar dos temperos. Também não precisa ser um decorador para deixar o ambiente mais verde, leve e perfumado. O que propomos aqui é juntar as duas coisas: temperos em casa. Na verdade, nem precisa ser uma casa, pois certamente seu apartamento tem um espaço, mesmo que pequenininho para plantas. 

Além de fazerem parte do cotidiano alimentar do brasileiro, as plantas aromáticas e ervas podem dar mais vida a sua casa, com pouquíssimo trabalho extra. 

Se você tem mais paciência, opte por sementes. Dependendo da espécie, demora em torno de 90 dias para começar a colheita. Se optar por mudas, em 10 dias sua casa já fica mais verde e seus pratos ficam mais saborosos. Rapidinho. 

A partir daí, a primeira questão é a luz. Plantas, como você sabe, não sobrevivem sem luz e muitas vezes não toleram luz excessiva. Assim, pensar o lugar que elas ficarão é essencial. Próximo a uma janela é uma boa pedida. Se for da cozinha, melhor ainda, pois o tempero fica próximo das panelas. 

Para maioria das espécies que estamos falando, quatro horas de sol é suficiente, sem que seja direto, em especial o sol da manhã ou do final de tarde. 

Você também vai dispender um tempinho para agua-las. Mas cuidado, é preciso parcimônia e carinho para não encharca-las e nem deixa-las morrer de sede. Uma dica é colocar o dedo na terra. Se estiver levemente úmido, perfeito. Se estiver vertendo agua, encharcado, você pode matar sua planta por excesso de água. 

Quanto à alimentação, você não precisa ficar tão preocupado com as plantas, pois hoje há terras preparadas para o plantio e produtos super práticos para alimenta-las, vendidos em casas de jardinagem. Alimenta-las a cada 15 dias é mais que o suficiente. 

A maioria das ervas precisa de vasos pequenos, com cerca de 20 centímetros de diâmetro e 30 cm de altura. Isso possibilita criar ambientes harmoniosos e criativos, utilizando diversos suportes: blocos de concreto, latas de alimentos (latas de manteiga, por exemplo), paletes de madeira, garrafas, bowls, jardineiras ou mesmo uma cesta velha, um pneu, uma bota que já não se usa. Por que não?

Agora que você já sabe como começar, vamos aos cinco clássicos da cozinha:

Alecrim: esta delícia de tempero gosta de bastante luz e não tolera muita água. Regar duas vezes por semana é o suficiente. Na cozinha, vai bem com carnes,  legumes e com frango. 

Orégano:  sinônimo de pizza (mas não só), esta folha verde reluzente também vai bem em molhos, saladas e peixes. Não exige muito espaço e um vasinho pequeno resolve bem. É um pouco mais exigente com o solo, que precisa ser fofo e leve. Umidade e luz, bastante. Aliás, quanto mais luz, mais acentuado o odor.

Manjericão: quanto maior, mais ele cresce. Gosta de sol, temperaturas mais quentes e de bastante água. Se você tiver mais espaço, deixe ecrescer. Com o tempo você vai ter quantidade suficiente para um delicioso molho pesto. Tempera bem peixes e carnes e até mesmo bebidas. Experimente abacaxi com manjericão, uma delícia. 

Tomilho: vaso pequeno e bastante sol. É uma planta versátil, que se adapta bem em temperatura de 5 a 28 graus. Este potente estimulante digestivo é também usado para temperar carnes gordurosas, molhos e peixes. Regando a cada dois dias, ótimo. O aroma é mais acentuado se não está muito úmido. 

Pimenta: elas têm o poder acrescentar mais picância e sabor a nossa vida. 

Mas nesse caso é preciso cuidado na hora de escolher. A biquinho é mais suave e pode servir até de aperitivo; a dedo-de-moça tem ardência média e pode ser usada em molhos, carnes e peixes; com a cumari é melhor tomar um pouco de cuidado, pois é bastante forte e exige parcimônia.