fbpx

Floresta de Afetos

O apartamento de Izabela mais parece uma pequena floresta. Mas estamos diante de uma reunião de amigos, cujos afetos se traduzem em plantas. 

Quem inicia uma conversa sobre plantas com Izabela muitas vezes tem a sensação de que ela está falando de amigos próximos que vivem em sua casa. 

A produtora artística, com uma vida agitada de espetáculos na capital paulista, logo deixa claro que está rodeada de afeto. Não é por menos. A primeira planta que ganhou foi da mãe, uma espada de santa bárbara que lhe foi dada justamente por que a garota não tinha muito trato com os vegetais. “Eu matei muita planta durante um tempo, eu queria ter, mas não tinha tempo e não tinha envolvimento com elas”.  

A partir daí as plantas foram entrando na vida de Izabela pela porta da frente. “Esses dias, logo que acordei tocou o interfone e fui atender. Era o porteiro dizendo que um amigo havia deixado uma coisa para mim na portaria. Quando chegou o elevador e a porta abril era uma pitangueira linda”, conta Izabela. 

Não foi a primeira e nem a única vez que isso aconteceu. Izabela tem vários amigos que a presenteiam todos os anos com plantas. Depois, foram os amigos dos amigos que sabendo de sua paixão, seguiram o ritual. 

Hoje, quando ela está sozinha em seu apartamento, as plantas são a grande companhia. “A maioria das pessoas tem relação com as plantas apenas como objeto. Eu não. Tenho uma relação super afetiva com elas”, confessa a produtora. 

Raízes e antenas

Recentemente, uma mudança profissional a aproximou ainda mais Izabela de suas plantas. “Quando eu passei a trabalhar mais tempo em casa eu vi que as plantas ficaram diferentes, elas estavam crescendo mais rápido. Como eu ouço muita música fui pesquisar e vi que isso tem grande influência, principalmente a música clássica”, comenta.

Há alguns meses, as plantas de Izabela ganharam um perfil na rede social Instagram. O habito de postar fotos de sua casa ganhou muitos seguidores e uma amiga deu a dica de fazer algo só para as plantas. “Um dia eu estava aqui, na rede, e resolvi botar em prática a ideia. O primeiro nome que ocorreu foi Jardins suspensos da Pompeia, que é o bairro onde moro. Aí eu pensei, mas é a minha florestinha. Nasce @minha.floresta, um perfil com centenas de imagens dos ilustres moradores do apartamento de Izabela. 

“Aqui em casa percebo que elas gostam muito de Gilberto Gil. Acho que elas pegaram um pouco o gosto da dona da casa”, diz Izabela, sempre com orgulho de suas companheiras, as plantas.