fbpx

As rosas falam

Conhecida por seus cafés e livrarias, Buenos Aires também pode encantar os que buscam parques com área verde, flores e jardins bem cuidados, inspirados nos franceses.  

É a maior coleção de rosas do país. El Rosedal, como é conhecido, faz parte da maior área verde da capital portenha, o Parque 3 de Febrero, no bairro mais charmoso da cidade, Palermo. 

Patrimônio Cultural da cidade, esse belíssimo jardim tem em seus canteiros mais de 18 mil roseiras, de quase 100 espécies diferentes, rodeados por caminhos de pedra que formam figuras geométricas, pérgulas de madeira, lagos com patos e jardins inspirados nos parisienses. Ou seja: quatro hectares de inspiração, abertos gratuitamente todos os dias. Entre as espécies mais comuns estão as rosas sevilhanas, a Joahn Strauss, a Elina (de cor amarela) e a Frederic Mistral (rosada). 

Inaugurado em 1914, esse roseiral tem seu projeto assinado pelo engenheiro argentino Benito Carrasco, que trabalhava com Charles Thays, urbanista francês que deixou sua marca em muitos locais da cidade — entre eles o Jardín Botánico de Buenos Aires, que fica bem próximo – vale a visita. 

Apesar de sua longa história segue sendo premiado. Em 2012 recebeu o prêmio Garden Excellence Award, dado pela Federação Mundial da Sociedade de Rosas. 

Jardim literário

Em meio às flores do Paseo de Rosedal, como também é conhecido, a literatura se apresenta em forma de estátuas de bronze, num dos recantos do lugar conhecido como Jardín de los Poetas, onde estão dispostas 26 estátuas de escritores de várias partes do mundo. Entre eles o espanhol Federico García Lorca, o cubano José Martí, o inglês William Shakespeare, o italiano Dante Alighieri e os argentinos Enrique Larreta, Alfonsina Storni e, claro, Jorge Luis Borges, um dos grande nomes da literatura argentina e um célebre morador do bairro de Palermo. É sabido que foi um grande frequentador do Parque 3 de Febrero, em especial do Jardín Japonês, devido a sua paixão pela cultural oriental. 

A iniciativa de homenagear os mestres das letras teve origem em 29 de outubro de 1924, na inauguração do Rosedal, quando inaugurou-se um busto do poeta argentino Olegario Víctor Andrade (1839-1882). Depois dele chegaram outros escritores, até que esse pedaço o Paseo del Rosedal foi ganhando aura literária e nome próprio: Jardim dos Poetas. 

Um dos lugares mais visitados por portenhos, o Parque 3 de Febrero tem sua origem em 1874, quando o presidente argentino Domingo Faustino Sarmiento, prevendo o crescimento vertiginoso da cidade, vislumbrou uma área verde para a região. O projeto que teria sido inspirado nos parques urbanos europeus e no Central Park de Nova York, aberto em 1811 no centro da ilha de Manhattan. Hoje o parque oferece refúgio aos que buscam contato com o verde, e abrange várias praças, jardins, lagos e áreas para quem gosta de caminhar, andar de bicicleta, de patins ou simplesmente ler um livro sob a sombra das árvores.