fbpx

Naturalmente Arte

Considerada uma das mais importantes artistas florais do Brasil, a paulista Stans Scheltinga une técnica e intuição para compor obras de arte com a natureza.

Uma obra de arte necessita de técnica e intuição. De certa forma, a vida da artista floral Stans Scheltinga é um grande exemplo desse duplo olhar para o belo. Fez os primeiros arranjos florais aos 11 anos, na floricultura do pai, na pequena Holambra, cidade paulista onde nasceu e que é referência nacional no cultivo de flores. 

“Trabalhávamos eu e minhas três irmãs, era uma forma de estarmos todos juntos, aquela coisa bem família. Mas a verdade é que nessa época era tudo bem intuitivo, com muito pouca técnica”, conta Stans, hoje com mais de 40 anos de experiência profissional.

Com o tempo, a artista percebeu que apenas a intuição não era suficiente para o negócio prosperar. Em 1988 resolveu estudar arte floral na Holanda, terra natal de seu pai e sua mãe, e partiu para a cidade de Naaldwijk, onde foi fundada a primeira faculdade de floricultura do mundo, ainda no século XIX. 

“Não é só fazer o arranjo, tem toda uma emoção. A gente vende emoção, realizamos sonhos. A flor é o material, como se fosse uma pintura, como se fosse um quadro, uma imagem única que tem minha assinatura”

Mas não parou por aí. Seu currículo inclui passagens por alguns dos mais importantes congressos de floristas do mundo, como o Iberiada, em 1995, na Bolívia, e o 5o Congresso internacional de floristas, na Colômbia, em 2007. Em 2018, ficou em quarto lugar na Copa das Américas de Arte Floral (Gateway to the Americas Cup), em Orlando, Estados Unidos. 

Aclamada pelo alto nível técnico e artístico do seu trabalho, ela diz que os estudos não ensinaram apenas técnicas de conservação e de harmonização, mas a valorizar mais as flores, como as tintas que vão transformar um quadro em obra de arte. “Não é só fazer o arranjo, tem toda uma emoção. A gente vende emoção, realizamos sonhos. A flor é o material, como se fosse uma pintura, como se fosse um quadro, uma imagem única que tem minha assinatura”, completa.

Ensinar e apreender

Stans é também uma pioneira no ensino de arte floral no Brasil. Com o tempo, o ofício tornou-se uma grande paixão e ela passou a exerce-lo com frequência. “Gosto muito de fazer treinamentos, ministrar cursos. Eu me transformo quando dou aula e vejo a transformação nos olhos das pessoas. Isso me move hoje em dia”, diz a artista.

Inquieta, Stans ainda estudou Psicanalise e Arte-terapia, áreas que ela afirma que ajudaram muito a entender o ser humano e suas vontades. “Tem todo um simbolismo dentro de um arranjo. Uma noiva, por exemplo, pode escolher determinadas flores de acordo com o que elas representaram na vida dela. Eu preciso entender tudo isso e trazer a emoção de volta”, diz Stans. 

Stans e sua equipe fazendo a decoração de um stand para o Enflora 2019 em Holambra, SP.

Para ela, uma das coisas que falta ao ser humano nos dias de hoje é observar a natureza e perceber suas simbologias, sua relação com o tempo e o espaço em que vivemos. “As pessoas não reparam mais quando as árvores estão florescendo, se as folhas estão caindo, se é tempo de determinada fruta ou flor. Elas olham sempre para baixo enquanto caminham”, diz Stans, que tem a natureza como companheira de todos os dias. “Para mim, sempre tem que ter flores por perto. Não é nada elaborado, mas é sentir a flor, sentir a cor, apreciar, respeitar”, completa a artista, com arte nas palavras.