fbpx

Grávida por natureza

A gravidez vem acompanhada de um turbilhão de emoções. É nessa hora que o contato com a natureza e com verde podem ser essenciais para manter o foco e a tranquilidade.

Ser mãe começa muito antes de se ter o bebê nos braços. Muitas mulheres, ao descobrirem que estão grávidas, dão início a uma série de mudanças de hábitos, que podem incluir melhoria da alimentação, exercícios físicos, yoga e outras alternativas. Algumas gestantes atentam para a importância de ouvir música durante a gravidez, outras conversam com o filho/filha que vai nascer, já familiarizando-o com as vozes da família.
Mas, e o contato com a natureza e com o verde, tem alguma influência sobre a gravidez e sobre o bebê antes do nascimento? Sim, claro. Esse contato também deve fazer parte das mudanças que uma gestante pode realizar.

Visitar parques e áreas verdes com frequência é uma ótima pedida. Se você não vive tão perto desses locais, em grandes cidades, por exemplo, é possível trazer o verde pra mais perto, iniciando ou aperfeiçoando o hábito da jardinagem. Para muitos especialistas, o simples fato de ter um momento do dia para regar suas plantas pode se tornar um ritual de relaxamento de grande importância.

E as vantagens não param por aí: plantas propiciam o aumento da umidade do ambiente, tornando o local mais fresco e, como já foi apontado em outros artigos do site INSPIRE, filtram o ar e eliminam substâncias tóxicas que podem causar danos a nossa saúde. Isso sem contar que ajudam a compreender melhor as relações entre a gravidez e os cuidados com um ser vivo, pois as plantas, assim como nós, também necessitam admiração, carinho e cuidados especiais para crescer.

Jardineira de primeira viagem

Se você não tem familiaridade com a jardinagem, não se preocupe, não há problema algum em começar agora. O ideal, é iniciar com plantas de fácil manuseio e que exijam poucos cuidados. É o caso de jiboias, samambaias, lírios, bromélias e antúrios, entre outras.

E se você é daquelas que adora ter flores em casa, pode optar por orquídeas, cravos, gerânios e violetas, que são boas (e belas) companheiras. Seja como for, é preciso observar também em que ambiente elas se adaptam melhor. Os gerânios, por exemplo, gostam de luz direta por pelo menos 6 a 8 horas por dia. Já as violetas vão muito bem em áreas internas, com luz média.

A lista de plantas que se adaptam muito bem ao ambiente doméstico é enorme e você pode ter dicas incríveis acessando os links do site Inspire, que tem um vasto material sobre jardinagem em casa. (http://inspire.veiling.com.br/naturezaemcasa/# )

Mas claro, a gravidez exige muitos cuidados extras e mais atenção em alguns aspectos. Um ponto importante é ficar longe de produtos químicos. Se precisar utilizá-los, peça para alguém da família ou amigos para ajudá-la. Prefira plantas menos suscetíveis a pragas e de manejo simples.

Se elas estiverem em uma área de sol, evite praticar a jardinagem nos períodos mais quentes do dia. Se for trabalhar ao sol, use sempre protetor solar e um chapéu e não esqueça de se hidratar o tempo todo.

Opte por roupas leves e confortáveis, dando preferência para mangas e calças compridas para evitar o contato direto com o solo ou com produtos químicos. Também não esqueça de usar luvas de borracha – elas evitam o contato direto com substâncias que podem ser nocivas para você e o bebê.

Outro ponto importante é manter sempre a postura correta, principalmente se for dedicar longos períodos à jardinagem. Evite pressão nas costas e na coluna e tente sempre ter as ferramentas adequadas para cada atividade. E, claro, não carregue objetos pesados. Peça sempre para alguém da família ou outra pessoa conhecida fazer isso para você. Assim, você terá momentos de prazer junto à natureza, mas com toda segurança.

Respire, inspire-se

Manter-se relaxada e calma durante a gravidez é de extrema importância para o bebê. Segundo especialistas, um dos principais motivos é que, mesmo na fase de embrião, começa a se formar a estrutura básica do sistema nervoso do futuro bebê. O feto começa a reagir ao estresse da mãe e isso pode ter consequências futuras para a criança.

Alguns estudos apontam a origem fetal de algumas doenças crônicas no adulto, como se os hábitos das mães durante os meses de gestação pudessem “programar” certos aspectos o corpo. Claro, isso não é necessariamente determinante, mas, sem dúvida, pode haver influência.

Portanto, atividades que propiciem mais tranquilidade para a gestante devem fazer parte de sua rotina diária, acompanhadas da pureza e da beleza que só as plantas podem proporcionar.

Compartilhe
Tags